Seja mais, tenha menos

“Ser ou não Ser”?!!

Vivemos em tempos, ou melhor, chegamos num tempo em que TER virou mais importante do que SER.

Muitas das coisas que TEMOS hoje não eram nem imagináveis há poucas décadas, assim como todo o lixo que criamos com o excesso de objetos que adquirimos. 

Chegamos rápido demais num tempo em que temos acesso a MAIS coisas, informações, pessoas mas temos MENOS tempo para desfrutar do que possuímos;  compreender o que nos informam; e nos relacionarmos com quem nos importa.

Consciência é a chave da virada!!

Alguns de nós já começaram a perceber que precisamos de menos para sermos mais felizes, que coisas não substituem pessoas e nem curam feridas, mas ainda há muito que regressarmos.  Sim, sou a favor da evolução, é claro, porém a velocidade que nos trouxe até aqui ultrapassou o limite.  

Então, não basta desacelerarmos, tomarmos mais cuidado e pagarmos a multa. É necessário  engatarmos a ré ou darmos a volta até o meio do caminho.

De volta ao passado!!

Não precisa ser lá no começo não, contudo voltarmos um pouco à época em que  mercados não abriam aos domingos e tínhamos que nos organizar no sábado se quiséssemos fazer o belo e sagrado churrasco de domingo – não decidíamos,de repente,  comprar um refrigerante no mercado.

Era preciso pensar antes e levar o vasilhame, levar o carrinho ou a sacola pra feira porque os feirantes poderiam, no máximo, enrolar seu cacho de bananas e ovos num jornal. 

É necessário voltarmos à epoca em que  você combinava uma festa uma semana antes e cada um dizia que prato levaria sem que  ninguém saísse do grupo só porque não se entedia no que fazer, levar, e por aí vai. 

Tínhamos menos, com certeza, mas éramos mais felizes ou, pelo menos, mais tranquilos. 

Aprendendo com a pureza da criança

Particularmente, gosto de observar as crianças quando preciso reaprender ou relembrar algo e, pra mim, um exemplo bem simples, prático e, claro, de que menos é mais, vem delas.

Quantas vezes, em festas de aniversário, todos se preocupam em dar os melhores brinquedos, às vezes muito caros, e aí a criança, ao abrir o brinquedo, percebe que a caixa de papelão que o envolve é bem mais interessante, pois com ela é possível fazer uma casinha, um esconderijo, um forte Apache, um carrinho para ser puxado e empurrado, um avião –  e tudo o mais que a imaginação dela permitir, nos ensinando uma lição bastante simples, e tão óbvia:

  • Não é preciso de muito para sermos mais felizes, mais criativos, mais gratos,mais cuidadosos, e até mais econômicos. 

Juntos somos melhores e mais fortes!!

Dessa forma,  com o propósito de prestarmos mais atenção, sermos mais conscientes, quero vir aqui mensalmente te ajudar a lembrar de que o pouco pode ser muito (tudo depende da nossa criatividade) e te passar dicas de como sermos mais amorosos e cuidadosos com o nosso planeta.

Aproveito essa estreia, também, para agradecer à Adriana Jarva pelo convite que me fez para participar desse blog tão lindo e inspirador, o qual  é mais   um canal que me permite divulgar e seguir meu propósito de colaborar com uma mudança de hábitos ajudando que a preservar o nosso meio ambiente. 

 Que você seja sempre MAIS feliz.