Por que viajar é tão significativo e apaixonante?

Viajar vai muito além de investimento cultural: É terapêutico!

Todos sabemos que viajar é transformador e traz um crescimento intelectual e cultural o qual as palavras não alcançam.

Além dessa rica experiência cultural e intelectual, descobri em algumas das viagens que fiz, que poderia ver meus problemas a uma certa distância e só com isso encontrava as respostas ou “insights” para solucioná-los; ou ainda aceitar o que não tinha solução.

É como sair da ilha para ver a ilha toda, pois quando estamos na ilha só se consegue ver partes dela. Assim é para com os problemas, se ficarmos envolvidos neles só se vê partes e corre-se o  risco de aumentá-los, ou sobretudo de se vitimizar.

Às vezes, sair dos problemas para observar à distância e poder ver o real tamanho sem dramatizar ou se  vitimizar focando na solução ou no processo de aprendizado, pode ser terapêutico e curador.

O conselho ( não sei quem é o pai/conselheiro), mas venho seguindo e tem dado certo. O conselho é:

  • “Se tudo estiver ruim, viaje!” (se distanciar do problema para avaliar o real tamanho).
  • “Se tudo estiver ótimo viaje!” (a vida merece ser celebrada e só isso é o melhor motivo).
  • Se não tiver a grana, se dê um tempo e entre em contato com a natureza, os parques são gratuitos e se programe ou planeje uma viagem e se presentei de vez em quando.

Claro que cada viagem tem um propósito e dessa vez  foi  – celebração !!

  • Lua de mel: Depois de um ano e oito meses de casados, chegou nossa hora e valeu à pena esperar cada minuto.
  • Comemoração do aniversário do meu marido, afinal 50 anos merece ser celebrado!!

Europa – Iniciando bem  

Conhecer qualquer país da Europa sempre foi um dos meus grandes sonhos desde criança, mas depois que comecei a viajar, o amor só aumentou e isso foi por volta dos meus 26 anos.

Porém, acabei viajando mais para os países da América do Sul e para os Estados Unidos, mas como acredito que tudo tem o momento certo e perto dos meus 50 anos chegou a hora de pisar na Europa e comecei bem!

Londres, simplesmente apaixonante!!

Uma atmosfera única!!!

Assim que cheguei na cidade, me senti pertencente ao lugar, aliás ainda nas alturas, antes do avião aterrizar pude contemplar Londres do alto e perceber sua natureza, um verde especial nos parques que avistava da janela e senti de cara que me apaixonaria.

Aqui vai um pouquinho de estatística só porque me surpreendi quando “goguei” e vi que atualmente Londres é a terceira cidade mais visitada no mundo, superando Paris que está em sexto lugar no ranking segundo as fontes abaixo.

https://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2018/12/06/hong-kong-foi-a-cidade-mais-visitada-de-2018-rio-de-janeiro-cai-7-posicoes.ghtml

https://www.cnn.com/travel/article/most-visited-cities-euromonitor-2018/index.html

*Fonte brasileira e americana 2018.

 

Entrando no clima

Antes da viagem começamos assistir algumas séries  para entrar no clima e assitimos as duas temporadas de The Crown (A Coroa).

 

 

Quem assistiu aos episódios das duas temporadas pode conhecer à história da rainha Elizabeth, aliás não tinha idéia que ser rainha não é fácil como parece.

Elizabeth é uma mulher forte e admirável, pois defende a coroa com muito amor e respeito.

Aguardando ansiosa a próxima temporada.

 

 

 

Fizemos o walk Londres como uma guia nativa durante duas horas andando pela região do palácio e ela ia associando as cenas aos lugares que foram gravados. Muitos dos episódios com um  certo toque local (opinião de uma guia nativa).

 

 

 

 

 

Assistimos também todos os episódios de Mr. Selfridge (a história de um americano que se mudou para Londres e construiu uma loja que existe há mais de cem anos).

 

 

 

 

Estivemos na loja para conferir o glamour e atmosfera do Mr. Selfridge e relembramos cenas de alguns episódios. Para quem assistiu a série, vai se lembrar da famosa vitrine feita com tantos cuidados pelo Mr. Leclair e o departamento de perfumes com a Mrs.Kitty Hawkins. Muito legal!

Dicas

Para quem quiser conhecer Londres ou mesmo para quem já conhece, vou deixar os sites que usamos. Eles oferecem praticamente tudo ou quase tudo o que a cidade oferece e permite planejar sua viagem no seu estilo, verba e dias disponíveis.

Esses sites oferecem guias nativos para várias opções de passeios, vão contando e compartilhando a riqueza da história milenar de forma divertida, eficiente e com uma “vibe” local.

Fizemos um passeio de “bike” de 3 horas e meia e foi um dos meus preferidos com um guia divertido, inteligente e culto. A única recomendação é prestar bastante atenção nos cruzamentos e olhar para os dois lados, em alguns lugares o trânsito é confuso.

O metrô é muito eficaz e barato e com o mapa na mão, ou GPS do celular e as baldeações certas, rapidamente estará no local desejado.

Caminhamos uma média de 12 km por dia, foi ótimo para sentir o clima da cidade e ajudar manter o peso já que férias faz a gente comer bem mais e se perder na gula!

Todos sabemos que Londres sempre chove e nessa primavera  choveu mais que o dobro do esperado, ainda assim conheci mais lugares do que o planejado, incluindo parques e o passeio Walk London para ver The Crown, ou seja, levem sempre um guarda-chuva e irão usufruir da mesma forma.

O que fizemos nesses 6 dias? 

  • Conhecemos a famosa igreja anglicana Westminster Abby (igreja dos casamentos reais e funerais de reis e personalidades britânicas). 2 1/2 horas com com guia nativo explicando cada datalhe. É uau! De arrepiar em alguns lugares e dá até para sentir uma certa energia da Nobreza Real.
  • Walk London – The Crown: passeio com guia parando nos lugares onde foram gravadas as duas temporadas de The Crown. Passamos pelo museu Winston Churchill e ficamos de um dia voltar (merece uma visita à parte).
  • Walk London nos principais pontos turísticos: incluindo o mercado central (onde o famoso chef inglês Jamie Oliver costuma comprar seus ingredientes frescos). Passamos pelo museu de Shakespeare, o museu de arte moderna Tate, o castelo Tower Hamlets (pertenceu ao rei Eduardo no século XIII) fica próximo a ponte Tower Brigde entre outras paradas.
  • Hugh Jackman – (The Greatest show no Arena London). Ele estava em Londres, foi um show maravilhoso e único; que talento tem esse ator e canta muito!! Detalhe: fomos de barco pelo rio Tâmisa (o que garante um show a parte, usei até meu chapéu para criar um clima). Na volta nos perdemos, mas mesmo assim chegamos 3 minutos antes do horário do ultimo barco voltar, porém o barco saiu antes do programado e vimos um outro turista bravo xingar e reclamar o absurdo. De fato, nós também nos sentimos prejudicados, mas como férias merece boas energias, nos divertimos com o ocorrido e voltamos de metrô.
  • Diana Memorial: um parque lindo e maravilhoso com um jardim e uma fonte nascente dedicada à princesa Diana com uma energia de paz maravilhosa, como ela foi e sempre será merecidamente querida.
  • Passeio ciclista de 3 1/2 horas com guia nativo (https://www.biketouroflondon.com )
  • Site com os vários passeios: http://www.walks.com/our-walks/thursday-walks#Westminster%20Abbey%20Tour-1

Atmosfera do Rio Tâmisa

Fomos caminhando pela margem do RioTâmisa, cruzamos a ponte suspensa Millenium (super moderna, apenas para pedestres) e fomos parando onde sentíamos vontade de parar, simplesmente para contemplar.

  • De um lado o moderno museu de arte moderna Tate
  • Do lado oposto a magnífica igreja Anglicana St. Paul, projetada pelo arquiteto Christopher Wren.

Seguimos andando até a igreja St.Paul, onde o príncipe Charles e a princesa Diana se casaram e também onde foi o funeral de Winston Churchill. Aliás, que arquitetura imponente e que jardim escandalosamente lindo! Precisei levantar meu queixo que não obedecia ao meu comando assim que vi tamanha beleza!

Contemplamos somente por fora e ficou o gostinho de voltar e fazer uma visita guiada nessa igreja  que começou ser construída em 604 e foi terminada em 1677. Por aí você já conclui quanta história e, que merece uma atenção especial.

Depois voltamos e continuamos andando pela margem do Tâmisa, a contemplar o contraste entre o mais lindo da arquitetura antiga com o que há de mais moderno. Só essa caminhada já faz sentir a atmosfera única de Londres.

Em volta do Rio Tâmisa, museus, edifícios comerciais e residenciais, pontes, castelo, a famosa roda gigante (London Eye) de fundo, tudo junto e misturado faz cair o queixo de qualquer um e o único risco é querer contemplar o chão que aliás é limpo, toda a cidade é limpa e muito bem organizada.

As pontes (são 114 pontes no total ), claro que conseguimos ver só algumas e a mais linda na minha opinião é a Tower Bridge que é a famosa ponte em forma de castelo.

Já tinha visto algumas fotos da Tower Bridge, mas nenhuma foto foi capaz de reproduzir a beleza e a imponência de sua arquitetura. Vê-la pessoalmente foi inexplicável e vocês já podem imaginar meu queixo novamente!

Demos uma baita sorte na hora que estávamos atravessando, sabe a hora certa no lugar certo e sem querer?

Eu nem sabia que ela abria e fechava e chegamos nessa hora. Pudemos contemplar o abrir e fechar da ponte que é um espetáculo à parte junto com o trânsito local entre pedestres, ciclistas e carros. Teve um charme que só estando lá para comprovar.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tâmisa

Registrando…

Como amo fotos, encerrro este artigo com fotos (sem filtro e com chuva) para que possam viajar de uma certa forma comigo.

Gratidão, amor e respeito

Em silêncio agradeci a Deus em vários momentos por ter todos meus sentidos perfeitos e poder contemplar sentindo com consciência, respeito e amor em cada lugar que entrei, pisei e caminhei.

O melhor guia – (deixo claro que esse não compartilho) 

Não posso deixar de agradecer ao guia mais importante não só da nossa viagem, mas o guia do meu coração, meu marido (que não gosta de aparecer e vai me matar quando ler isso). Ele já havia estado em Londres algumas vezes e isso fez toda a diferença. Gratidão meu amor por me proporcionar momentos inesquecíveis e pela nossa lua de mel. Quero caminhar ao seu lado só enquanto eu respirar.

Legado…

Viajar é sempre um dos melhores investimentos e terapia que existe (deixo como legado ao meu filho – viaje, explore o mundo)… mas voltar para casa… ah, voltar para casa não tem preço.

Espero que tenha gostado do artigo, viajado um pouquinho de alguma forma. Se decidir viajar, ficam aqui algumas dicas e, se já conhece Londres, compartilhe comigo sua vivência ou o que mais gostou, vou amar saber!

Se gostou deste artigo, marque seu a/o amiga(o), ou o amor da sua vida como uma boa provocação ou convite para programarem as suas próximas férias!

Gratidão e até o próximo post.

Adriana Jarva