Cesárea ou Normal: existe um melhor tipo de parto para mim?

Decidir ou não pelo parto normal é um dos assuntos mais delicados relacionados à gravidez. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as taxas de cesárea ideais em um país deveriam ser em torno de 15%. No Brasil, estes índices atingem 52%. Se avaliarmos somente as maternidades que atendem convênios ou particulares, estes índices podem chegar a alarmantes 90%.

Na maioria das vezes, a falta de informação de qualidade ou a insegurança relacionada aos mitos podem levar a dúvidas e até a decisões equivocadas na hora de se decidir como o bebê virá ao mundo.

 

– Quais os tipos de parto existentes?

  • Parto normal:

Como o próprio nome diz, é o mais natural dos partos. O organismo feminino naturalmente se prepara para este momento, com alterações hormonais, físicas, estruturais e psicológicas. Neste tipo de parto, o bebê mostra os sinais de que é chegado o momento do nascimento através das contrações uterinas, o colo do útero se dilata e o bebê sai pela vagina. Em média, geralmente o trabalho de parto efetivo dura de 12 a 24 horas. Isto só acontece depois que as contrações se tornam mais intensas e frequentes. Após o parto, normalmente a mulher não apresenta grandes complicações ou impedimentos. Em geral, pode retomar suas atividades de rotina em poucos dias. O maior temor da maioria das mulheres com relação ao parto vaginal é a dor. Existem, porém, medidas efetivas de controle da dor, como anestesia, banhos quentes e massagens.

 

  • Parto cesárea:

A cesárea é uma cirurgia e, como tal, possui indicações e contraindicações. Havendo qualquer intercorrência ou na impossibilidade do parto normal acontecer, ela é um procedimento que pode salvar vidas. Como qualquer cirurgia, pode ter complicações como sangramento, infecção, dor e problemas na cicatrização. Além disto, por abrir diversas camadas do abdome, consideramos que a cicatrização e recuperação completa se dá em torno de 6 meses. Com a realização de cesáreas sucessivas, o risco de ruptura uterina fica maior. Ou seja, quando uma mulher tem 3 ou mais cesáreas, o músculo do útero fica mais susceptível a se romper durante uma nova gestação. Isto pode trazer riscos para a gestante e para o bebê. Não se pode negar, porém, que o desenvolvimento da técnica da cesárea possibilitou com que muitas mulheres e muitas crianças sobrevivessem ao momento do parto.

Tanto na cesárea quanto no parto normal, na maioria das vezes é possível criar um ambiente acolhedor, humanizado e harmonioso, para que o momento do nascimento seja rodeado de paz e alegria.

 

– Toda mulher conseguiria ter um parto normal?

Nem sempre o parto vaginal é possível. Muitas vezes, a indicação da cesárea salva a vida da mãe e do bebê. Dificilmente se consegue dizer que uma mulher não conseguiria ter um parto normal sem que ela esteja efetivamente em trabalho de parto. Muitas mulheres relatam que seus médicos contraindicaram o parto normal por elas terem “bacia estreita” ou serem muito pequenas. No entanto, na imensa maioria dos casos, estas afirmativas não são de fato impedimentos ao parto vaginal. Assim, vale a pena consultar um obstetra de confiança para tirar suas dúvidas.

– Como escolher o melhor parto para mim?

 

Na maioria das vezes, durante o pré-natal, o médico consegue identificar possíveis impedimentos ao parto normal. Entre eles, estão, por exemplo, doenças cardíacas maternas mais graves ou fetos muito grandes. Caso contrário, o melhor é se informar (em fontes confiáveis, claro).

 

 

A melhore alternativa, geralmente, é conversar com seu obstetra sobre seu plano de parto, esclarecendo dúvidas e alinhando expectativas. Não existe, no entanto, o melhor parto para todas e nem para nenhuma. Sendo assim, a escolha deve ser individualizada, levando em consideração a evolução da gestação e as expectativas da mãe.

Independentemente da via de parto, o maior objetivo sempre deve ser proporcionar as melhores condições para que mãe e bebê estejam juntos e saudáveis. Assim, vale a pena conhecer e conversar abertamente com seu obstetra sobre suas dúvidas, medos, crenças, mitos e sonhos, para que o momento do nascimento seja mágico e feliz.

Veja também: